quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Energias alternativas e desenvolvimento sustentável local

Recentemente fiz uma pequena viagem ao litoral do Rio Grande do Norte onde conheci (dentre outras coisas) os vários parques eólicos para geração de energia elétrica nos municípios de São Bento do Norte, Caiçara do Norte, Parazinho e João Câmara, logo fui refletindo sobre aquilo e fui recolher algumas informações com moradores da região sobre a energia eólica. Relataram-me que a energia gerada pela força dos ventos característicos da região era vendida para outros estados do Sul do país. Logo fui refletir mais e observar mais acerca daquela questão.


Muitos logo pensam quando se vê os enormes cata-ventos coisas do tipo: energia limpa, energia barata, sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, e sim estão certos até certo ponto temos tudo isso lá mas, para quem??

A energia elétrica produzida pelos parques eólicos são de fato uma forma inteligente de se gerar energia mas, não apenas para lucro das empresas que estão instaladas lá, creio que o poder público daquela região possa intervir e garantir a energia elétrica para a pequena população a custos próximos de zero e porque que essa empreitada não possa ser uma parceria público-privada para geração de energia limpa e barata para todo o estado do Rio Grande do Norte?

Explorar o potencial da região, aliás de todo o país de forma sustentável é dever dos governos e dever do povo cobrar e lutar por isso, como uma forma de baratear o custo de vida da população, os custos da indústria e mantando o patrimônio natural de forma sustentável.


A região apesar de ser próxima do oceano tem essas características de vegetação, possivelmente restinga.

Fotos: Angelo Branco

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Campanha de Carnaval 2015 DST AIDS

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Onde sua Planta Vive?






Onde sua planta vive?

Dependendo o lugar onde vive, a planta recebe um nome apropriado. Os radicais são de origem grega.

phutón: planta.

Antropófita (ánthropos: homem): em área cultivada pelos humanos;
Apófita (apó: separado): fora do hábitat natural;
Casmófita (khásma: fenda): nas fendas das rochas;
Ciófita (skiá: sombra): nas sobras;
Criófita (krúos: frio): no gelo, na neve ou em temperaturas muito baixas;
Endófita (éndon: dentro): dentro de outro organismo;
Epífita (epí: em cima): sobre outro vegetal;
Geófita (gê: terra): na terra;
Halófita (halós: mar): na costa litorânea;
Helófita (hélos: brejo): em terrenos encharcados;
Hidrófita (húdor: água): na superfície ou dentro da água;
Higrófita (hugrós: molhado): em lugares úmidos;
Litófita (lithós: pedra): sobre rochas;
Orófita (óros: montanha): em montanhas;
Pirófita (purós: fogo): em terrenos devastados pelo fogo;
Psilófita (psilós: calvo): em clima tropical seco;
Talassiófita (thalássios: marinho): no mar;
Xerófita (kserós: seco): em ambientes secos.


domingo, 8 de fevereiro de 2015

Curso de Biologia Molecular


Quer entender um pouco mais sobre Biologia Molecular? Venha conhecer o curso da BIO! Inscrições pelo formulário abaixo! 
https://docs.google.com/forms/d/1sa60uZFLGxPQtPWvFERVuQCKYfjvIaEmC6VZ-1X82bs/edit

O investimento é de 400,00. Serão 40h de curso, o foco será em técnicas de biologia molecular tais como sequenciamento, PCR em tempo real, entre outras. O valor também poderá ser parcelado