domingo, 29 de dezembro de 2013

Cientistas argentinos conseguem fazer com que células do pâncreas voltem a produzir insulina

Uma equipe de médicos argentinos conseguiu pela primeira vez, por meio de engenharia celular, que células do pâncreas voltem a produzir insulina, o que é um avanço fundamental para um futuro tratamento contra o diabetes. 

A partir de células-tronco provenientes da gordura, os pesquisadores conseguiram criar ilhotas de Langerhans, os acúmulos de células do pâncreas, e reconstituir sua função de produzir o hormônio insulina e seu complementar, o glucagon.

O diabetes é gerado quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o corpo não pode utilizá-la de forma eficaz. A descoberta foi realizada pelo Centro de Pesquisa em Engenharia de Tecidos e Tratamentos Celulares da Universidade Maimónides, de Buenos Aires, dedicado à reconstrução de órgãos com o objetivo de substituir os que faltam ou suprir os que têm alguma insuficiência.

O diretor do centro, Gustavo Moviglia, explicou à Agência Efe que a importância da conquista se deve principalmente porque todos esses elementos "podem ser obtidos do mesmo paciente que vai se tratar, assim é possível evitar complicações ou rejeições derivadas dos transplantes" que atualmente se realizam. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), há mais de 347 milhões de pessoas com diabetes e previsões de 2005 já indicavam que as mortes pela doença se multiplicarão em 2030.

A descoberta consistiu então em ver o que uma célula com atividade inflamatória durante a reparação de um órgão provoca, se é posta em contato com uma célula-tronco, que amadureça com as características desse mesmo órgão, segundo o diretor do centro.

sábado, 28 de dezembro de 2013

Recife artificial, boing, 30 milhões??

Minha amiga Daiana Moreira me mandou um link, via Facebook, de uma matéria do Blog do Jamildo com uma entrevista com Sérgio Xavier (secretário de Meio Ambiente do Recife) sobre a compra de um boing para servir como recife artificial para o equilíbrio daquela região devido a preocupação com os ataques de tubarão.

Segue a matéria:


O governo Eduardo Campos prepara-se para comprar uma aeronave fora de uso, tipo um Boeing, para afundar nas águas do mar do Recife e criar uma espécie de viveiro, ao lado de várias embarcações já fundeadas, em mais uma iniciativa de combate aos ataques de tubarão na capital pernambucana.
O secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, Sérgio Xavier, revela que a iniciativa faz parte da criação de um parque marinho no Recife, ao custo de R$ 30 milhões.

“A ideia é lançar em fevereiro do ano que vem. O parque marinho faz parte de um desafio de reduzir os ataques de tubarão”, diz.
“Antes, os tubarões não atacavam porque havia equilíbrio. Se a gente recompor o ambiente, a tendência é resolver”, acredita. “Queremos colocar uma espécie de banquete, do lado direito do canal que corta a praia (vindo de Suape), com alimentos mais abundantes para as espécies”.
De acordo com o planejamento, outras cinco embarcações serão fundeadas, além das 27 já catalogadas e conhecidas.
O governo do Estado chegou a negociar a compra de aeronaves da extinta Vasp, estacionadas há vários anos no pátio do Aeroporto do Recife, mas a Justiça Federal optou pelo leilão, como sucata.
“Estamos procurando outras. Já conversamos com a Marinha, para saber onde pode e onde não pode, pois é uma área de rota de navios”, conta o secretário.


Diante dessa notícia fico me perguntando onde estão os biólogos, pesquisadores e a CPRH (Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - PE) para fazer estudos para que um projeto dessa magnitude seja viável? Creio que o custo dessa empreitada é muito alto para ser feito, aparentemente sem estudos, e sem um plano de educação ambiental e ecoturismo subaquático integrados a essa iniciativa.
A secretaria do meio ambiente do Recife, criada recentemente, ainda caminha a passos lentos e creio que há uma necessidade de pesquisa, de buscar parceiros para a realização desse e de outros projetos desenvolvidos pela secretaria. Uma sugestão para essa parceria, que dei como exemplo no comentário no Facebook, é a Universidade de Pernambuco (UPE) sobretudo por conta dos seus pesquisadores do Laboratório de Estudos Ambientais - LEA.
As ações da prefeitura de maneira geral, sobretudo acerca de questões ambientais, devem ter equipes interdisciplinares compostas por profissionais capacitados e comprometidos com a ação de maneira ampla visando primeiramente o bem estar socioambiental da cidade.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Instituto Caranguejo (Educação Ambiental)

Um trabalho muito legal sobre educação ambiental é o do Instituto Caranguejo que traz o Menino Caranguejo como personagem dos seus almanaques confira clicando aqui: 

http://www.caranguejo.com/homepage/index.php#almanaque

Políticas Ambientais para o rio CAPIBARIBE


Recentemente foi veiculado nos principais jornais e sites de notícias de Pernambuco, por conta do dia mundial da água, a colocação do Rio Capibaribe no ranking da Fundação SOS Mata Atlântica, onde a qualidade de suas águas foi avaliada como “ruim”, ressaltando que nenhum manancial obteve o nível de “bom” ou “ótimo”. A campanha tem caráter educativo e não pericial.


Isso nos faz refletir sobre o trabalho que o poder público vem realizando acerca do rio símbolo da capital pernambucana, que vem se revelando puramente midiático. Quando se relata algo sobre o Capibaribe relaciona-se com ou mobilidade urbana com a implantação de um sistema de transporte público de passageiros pelo Capibaribe ou de sua revitalização, na qual só se dá a melhoria de suas margens.

A partir disso vêm as perguntas: onde estão os incentivos para a pesquisa científica visando a melhoria da qualidade ambiental do rio? Onde estão os projetos que proporcionem significação e/ou relação da população com o rio?

O rio Capibaribe como qualquer outro rio urbano do mundo sofre um processo de eutrofização (aumento exagerado de nutrientes/poluentes), sobretudo por causa do despejo de esgotamento sanitário não tratado nas suas águas. O que falta ao rio (como um todo) é uma política de sustentabilidade em parceria com o governo do estado, prefeitura da cidade o Recife e das universidades locais para que se desenvolva pesquisas e alternativas para a real revitalização do lugar onde um dia se banhavam capivaras. Se pesquisa, só lembraremos do Capibaribe em datas comemorativas!

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Aprendendo Evolução

O site do Instituto de Biociências da USP possui uma apresentação interativa sobre o ensino e aprendizado de evolução.


Fonte: Instituto de biociências via Nomes Científicos no Face

domingo, 24 de novembro de 2013

Febre Amarela

O ministério da saúde e a Fundação nacional da saúde, FUNASA, publicou um Manual de Vigilância Epidemiológica de Febre Amarela que pode ajudar os estudantes da área de saúde de maneira geral.



sábado, 23 de novembro de 2013

Recife inicia campanha contra sarampo na próxima segunda-feira (25)

A campanha de vacinação do Recife contra o sarampo inicia na próxima segunda-feira (25) e vai até o dia 6 de dezembro. A prefeitura pretende vacinar 92 mil crianças e começa atendendo os 15.650 alunos das 71 escolas do ensino fundamental da rede municipal. A partir desta data, 165 postos de vacinação atenderão a população recifense. Crianças a partir de 6 meses devem se vacinar.

O Dia D da campanha será no sábado (30) e além dos 165 postos fixos, estarão funcionando outros 36 volantes, totalizando 205 postos. Recife está entre as cidades priorizadas pelo Ministério da Saúde para iniciar a campanha, pois a capital pernambucana teve 63 notificações da doença, sendo confirmados 19 casos. O tipo do vírus do sarampo que esta circulando pelo Recife, segundo o Ministério da Saúde, também está presente em países como Inglaterra, China e Estados Unidos. A elevada incidência de casos nesses países, aliado ao fato de o Brasil sediar grandes eventos, mostra a necessidade da vacinação. Por isso, está sendo organizada a segunda campanha extraordinária de vacinação. Entre 27 julho e 30 de agosto deste ano, as vacinas foram distribuídas pelo País.

A prevenção do sarampo deve ser feita através de vacinação. As vacinas tríplice viral estão disponíveis durante todo o ano nos postos de saúde. As crianças a partir dos 6 meses já podem receber a imunização.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Jorge Ben Jor - Spyro Gyro



Spyro Gyro
Jorge Ben Jor



Spyro Gyro é Spyro Gyro
É Spyro Gyro
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água

Que plâncton é esse?
Que plâncton é esse?
É Spyro Gyro, é Spyro Gyro
Que plâncton é esse?
Que plâncton é esse?
É Spyro Gyro, é Spyro Gyro

Spyro Gyro é Spyro Gyro
É Spyro Gyro
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água

Você sabe o que é um plâncton?
Um plâncton é uma alga
De água doce ou de água salgada
Mas o Spyro Gyro é doce
Doce, doce, doce, doce de água doce

Spyro Gyro é Spyro Gyro
É Spyro Gyro
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água

Um encontro amoroso
Do zigoto masculino com o gameta feminino
Formam novas células, um fio vegetal
Brilhoso e esverdeado, igual à cor da esperança
Igual à cor da esperança

Spyro Gyro é Spyro Gyro
É Spyro Gyro
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água
É um bichinho bonito
Verdinho que dá na água

Observando a letra de Jorge Ben Jor podemos apontar alguns erros e acertos em relação a biologia, reprodução e taxonomia das algas verdes Chlorophytas representadas na letra da música pelo gênero Spirogyra.

  • Quais são os acertos?
  • Quais são os erros?
  • Deixe o seu comentário!!

O que é Aids e HIV?

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

1º Circuito FAFIRE Passeio Ciclístico


Tuberculose

Aqui temos dois materiais sobre tuberculose produzidos pelo Ministério da Saúde.

Primeiro é um Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil que retrata o diagnóstico, tratamento, relação da tuberculose com HIV e tabagismo entre outras abordagens.

O segundo faz uma abordagem mais profunda e detalhada retirada do Guia de Vigilância Epidemiológica com destaque para o diagnóstico, aspectos clínicos laboratoriais e epidemiologia.




domingo, 17 de novembro de 2013

Hepatites Virais: o Brasil está atento

Material produzido pelo Ministério da Saúde sobre hepatites virais.


Apostila de Microbiologia e Parasisitologia (Prof. Fernando Santiago)

Esse semestre estou me aprofundando em Microbiologia e Parasitologia dando aulas no curso técnico de enfermagem e dentre minhas pesquisas na internet achei esse material específico para o pessoal da enfermagem no site do professor Fernando Santiago dos Santos. Segue o link para quem possa interessar.


http://www.fernandosantiago.com.br/mbplan.htm

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Simuladores científicos

Durante as aulas da professora Drª. Patrícia Smith na disciplina de mobile learning e games na EDUMATEC foi compartilhado um site de simuladores o PhET Interactive Simulations que possuem simulações de várias disciplinas de ciências naturais como física química e é claro biologia, sobre os mais variados conteúdos disciplinares.


Os simuladores são uma forma interativa de ferramentas que podem ser inserida nas aulas de ciências, desenvolvendo a autonomia do aprendizado do estudante (com a mediação do professor) com a resolução de problemas através da tomada de decisões. A exemplo disso temos o simulador de seleção natural onde se pode manipular as mutações (cauda, dentes e cor do pelo), fatores da seleção como comida e predadores, fatores ambientais (clima do equador ou ártico) para observar o que vai acontecendo com a população de coelhos ao longo do tempo.


Essa ferramenta poderá auxiliar na construção de conceitos importantes para a compreensão da evolução como seleção natural e mutação, ainda auxiliando a problematização e o desenvolvimento da autonomia do educandos.

domingo, 10 de novembro de 2013

Aula prática de Biologia (Mollusca/Cephalopoda)

As aulas práticas de biologia, ou de qualquer outra disciplina, através da utilização de peças naturais, artificiais ou modelos digitais são ferramentas fantásticas para despertar o interesse dos alunos e contribui sobremaneira para com a aprendizagem do estudante.

Nessa aula sobre moluscos, mais precisamente sobre a classe Cephalopoda  o procedimento e os materiais são relativamente simples




Materiais:

  • Luvas de procedimento
  • Bisturi nº3
  • Uma bandeja
  • Material bibliográfico com imagens da anatomia dos animais
Procedimento

O objetivo dessa prática é observar a morfologia interna e externa de um polvo ou uma lula. Para isso será necessário fazer uma incisão com o bisturi, cortando o manto e revelando a massa visceral do molusco, para identificação e classificação de suas funções de maneira generalizada.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

LactoRun - Colégio de Aplicação UFPE

Em uma das minhas andanças e aulas no EDUMATEC/CE UFPE tive o prazer de conhecer o LactoRun através da professora Drª. Kátia Aquino que é uma ferramenta desenvolvida por alunos do Colégio de Aplicação da UFPE e é uma inovação tanto no sentido tecnológico em aplicação nos esportes, como um incentivo a interdisciplinaridade como ferramenta educacional.

LactonRun é uma ferramenta alternativa, desenvolvida em Java, para a medição indireta da Máxima Fase Estável de Lactato (MFEL) após esforço físico, que pode ser utilizada diretamente pelo professor nas aulas de Educação Física. Os estudantes também podem coletar seus próprios dados e acompanhar sua performance diante das atividades de Educação Física propostas ou escolhidas, pois o programa também foi desenvolvido para a plataforma Android.

Esse projeto é uma produção científica tanto na área de inovação tecnológica (aplicativo) quanto sobre o ponto de vista de ferramenta educacional pensado, desenvolvido, publicado e premiado por alunos do Ensino Médio. Esse grande feito, no meu ver, deveria se tornar uma vertente de pensamento, uma meta para as séries finais do ensino básico. Um dos grandes problemas no ensino médio (o seu nó) é a falta de uma estrutura (física, organizacional) para o desenvolvimento de atividades técnico/científico que auxiliem os jovens a uma preparação tanto para o mercado de trabalho como para o aprofundamento da produção científica na universidade.

Esse projeto integra as ideias de desenvolvimento/aplicação tecnológica (desenvolvido do aplicativo) iniciação científica (pesquisa científica), interdisciplinaridade pois o conhecimento/ferramenta pode ser utilizado por professores de biologia nas aulas de bioenergética (ciclo de Krebs) e pelo professor de educação física e também é abordado pela ótica da aprendizagem móvel (sistema Android) para a execução da ferramenta.  

O trabalho de Marcelo Simões e Ricarth Ruan sob a orientação da profª. Kátia é um exemplo a ser seguido e uma prova que sim, nós podemos desenvolver a iniciação científica no ensino básico, sim nós podemos desenvolver tecnologia, sim nós podemos ser interdisciplinares em Pernambuco, no Brasil.



 Poster apresentado no 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação





Hanseníase

A hanseníase ainda é uma doença que causa preconceito para com seus portadores. Todos os esforços serão sempre louvados para o diagnóstico e tratamento dessa doença bacteriana (Mycobacterium leprae). Segue o link para um atlas de hanseníase escrito por Diltor Vladimir A. Opromolla
e Somei Ura  que poderá ajudar os profissionais de saúde de maneira geral.


segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Seminário de Arborização Urbana

Sempre fui um admirador das grandes árvores em especial as urbanas que possibilitam um ambiente mais agradável sobre vários aspectos, porém sempre me questionei quais eram os conhecimentos botânicos dos urbanistas para plantarem árvores de grande porte e de difícil adaptação ou por falta de manutenção apropriada para serem de fato harmoniosas, sem destruir calçadas e prejudicar a fiação.

Acredito que esse seminário sobre arborização seja uma forma de reverter essa situação e deixar nossas cidades cada vez mais bonitas e verdes.


Saiba mais pelo site: http://encurta.com/bd0f65

VII Congresso Brasileiro de Micologia



domingo, 27 de outubro de 2013

MOOC: tutoria

O professor João Mattar (@joaomattar) está promovendo um curso online MOOC Tutoria (gratuito, aberto a todos os interessados e com direito a Certificado de participação ao final do curso). que começará no próximo dia 4 de novembro.

Para quem quiser aprender mais de tutoria em Moodle para EAD essa é uma excelente pedida, eu estou fazendo e recomendo.



Educação depois dos 40 anos e EAD

Estava "passeando" pelas redes sociais, quando me deparo com um vídeo do programa Assunto do Dia sobre pessoas que voltam a estudar depois dos 40 anos tendo como entrevistadas a professora e psicopedagoga e doutoranda Adalgisa Succi (UPE/ESUDA) e minha comadre acadêmica professora Dayse Rodrigues (FG), mestranda em educação matemática e tecnológica (EDUMATEC/UFPE). 

Com as tecnologias informacionais (incluindo as móveis), a regulamentação do ensino a distância (EAD) e do ensino de jovens e adultos (EJA) muitas pessoas tem se aventurado a voltar a estudar, seja para mudar de área de atuação profissional, seja para ingressar numa profissão ou simplesmente aprender a ler e escrever. Isso é uma das características que podemos observar nas salas de aula tanto no ensino básico (fundamental e médio) e principalmente ensino superior seja com o aumento de vagas nas instituições de ensino superior (IES) tanto no ensino presencial quanto na EAD. Essa modalidade vem crescendo no país por vários fatores: mobilidade urbana, distâncias geográficas, aprendizagem assíncrona entre outros, contribuindo sobre maneira para a formação de pessoas com mais de 40 anos.

No vídeo as professoras colocam também a questão da convivência dos jovens com os alunos mais velhos e como os graus de afetividade ajudam no processo de ensino aprendizagem que se desenvolve tanto presencialmente como online.

Assistam ao vídeo e conheçam um pouco mais sobre o assunto.




sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Astrobiologia


Astrobiologia é uma área de pesquisa que se preocupa em estudar origem, evolução distribuição e futuro da vida, seja na Terra ou, eventualmente, fora dela. A Astrobiologia como se conhece hoje evoluiu da Exobiologia, campo de pesquisa surgido na NASA no contexto da corrida espacial, durante a Guerra Fria, e que propunha a buscar vida fora da Terra. Uma das grandes preocupações da época era a possível existência de microrganismos patogênicos nestes ambientes que, uma vez trazidos para a Terra, poderiam causar uma grande pandemia.


Por não ter encontrado nenhuma evidência conclusiva de vida fora da Terra após diversas missões espaciais, como as sondas Vikking 1 e 2, lançadas pela NASA para Marte na década de 70, a comunidade científica passou a se perguntar se não haviam encontrado vida por de fato ela não existir fora de nosso planeta ou se por não sabermos como, onde e o que procurar. Em adição, o objeto de estudo da Exobiologia, a vida extraterrestre, era objeto de crítica de grande parte da comunidade científica. Como os fatos indicavam para a não existência de vida em outro lugar, a Exobiologia seria uma ciência sem um objeto de estudo, o que tornou essa área de pesquisa difícil de justificar e financiar.

Por todas essas questões, a NASA decidiu, em 1998, substituir o programa de Exobiologia, pelo de Astrobiologia. A Astrobiologia, por sua vez, tem como um de seus objetivos entender melhor a vida na Terra e sua conexão com os fenômenos cósmicos, como modelo para o entendimento da sobre uma possível vida extraterrestre. Além disso, a Astrobiologia visa entender os processos que levaram à origem da vida na Terra e que podem levar à origem em outros planetas, bem como a resposta dos organismos vivos à evolução do sistema planetário.

As perguntas tratadas pela Astrobiologia não são novas e já vêm sendo estudadas há muito tempo. A inovação da Astrobiologia foi relacionar essas perguntas e colocá-las sobre uma perspectiva multidisciplinar e integrativa. Desta forma, astronomos, biólogos, físicos, químicos, cientistas planetários, geólogos entre outros podem interagir para trabalhar nestas perguntas, que dificilmente seriam respondidas pelas disciplinas isoladamento.

No Brasil, trabalhos relacionados com Astrobiologia vêm sendo realizados individualmente há décadas, porém apenas nos últimos anos esse trabalho começou a ser organizado de maneira coesa em torno do tema. Em 2006 ocorreu o I Brazilian Workshop on Astrobiology, que reuniu a comunidade científica interessada no tema. Em 2011, a Sao Paulo Advanced School of Astrobiology, financiada pela Fapesp e pela USP, e a criação do Núcleo de Pesquisa em Astrobiologia da USP permitiu um grande avanço na organização da comunidade científica brasileira. Paralelamente, diversas iniciativas individuais ou regionais continuam sendo realizadas, de forma que é inegável que a área está difundida e em rápida expansão por grande parte do país.

Nesses anos, recebemos muitas perguntas de alunos e interessados em geral, sobre Astrobiologia, como estudá-la e qual o espaço para atuação no país. Listaremos algumas perguntas e as respectivas respostas abaixo, na esperança de ajudar e motivar a futura geração de cientistas a atuar no tema. O banco de dados criado e disponibilizado pela RBA pode ser usado como uma maneira de pesquisar por professores, pesquisadores e alunos atuando no tema, mas a RBA e sua coordenação não se responsabilizam pela qualidade e veracidade da informação disponível nesse banco de dados, pois ela é de total responsabilidade do pesquisador que a forneceu em seu cadastro.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Pesquisa Jovem e Consumo Midiático em Tempos de Convergência

Navegando pelo Facebook encontrei essa pesquisa que o professor Marcelo Sabbatini(UFPE) está coordenando no estado de Pernambuco que tem como objetivo entender as práticas dos jovens brasileiros na internet. Se você é jovem de 17 a 24 anos, de Pernambuco, e tem  um perfil no Facebook pode participar da pesquisa é só clicar aqui:

Lúpus

Há alguns dias atrás um aluno me perguntou sobre essa doença rara. Andei pesquisando sobre e achei uma cartilha da Sociedade Brasileira de Reumatologia falando sobre os principais pontos acerca da doença, além dessa breve descrição de Dráuzio Varela.

Lúpus é uma doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres do que nos homens, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico, exatamente aquele que deveria defender o organismo das agressões externas causadas por vírus, bactérias ou outros agentes patológicos.

O fato é que, no lúpus, a defesa imunológica se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico.
Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especialistas. Pessoas tratadas adequadamente têm condições de levar vida normal. As que não se tratam, acabam tendo complicações sérias, às vezes, incompatíveis com a vida.

Click na imagem



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Introdução a Microbiologia

A ciência da Microbiologia [do grego: mikros (“pequeno”), bios (“vida”) e logos (“ciência”)] é o estudo dos organismos microscópicos e de suas atividades. Preocupa-se com a forma, a estrutura, a reprodução, a fisiologia, o metabolismo e a identificação dos seres microscópicos. Inclui o estudo da sua distribuição natural, suas relações recíprocas e com outros seres vivos, seus efeitos benéficos e prejudiciais sobre os homens e as alterações físicas e químicas que provocam em seu meio ambiente.

Em sua maior parte, a Microbiologia trata com organismos microscópicos unicelulares. Nas assim chamadas formas superiores de vida, os organismos são compostos de muitas células, que constituem tecidos altamente especializados e órgãos destinados a exercer funções específicas. Nos indivíduos unicelulares, todos os processos vitais são realizados numa única célula. Independentemente da complexidade de um organismo, a célula é, na realidade, a unidade básica da vida.

Todas as células vivas são basicamente semelhantes. Conforme já foi visto, elas compõem-se de protoplasma (do grego: a primeira substância formada), um complexo orgânico coloidal constituído principalmente de proteínas, lipídeos e ácidos nucleicos; o conjunto é circundado por membranas limitantes ou parede celular, e todos contêm um núcleo ou uma substância nuclear equivalente.

Todos os sistemas biológicos têm as seguintes características comuns: 1) habilidade de reprodução; 2) capacidade de ingestão ou assimilação de substâncias alimentares, metabolizando-as para suas necessidades de energia e de crescimento; 3) habilidade de excreção de produtos de escória; 4) capacidade de reagir a alterações do meio ambiente (algumas vezes chamada de "irritabilidade"), e 5) suscetibilidade à mutação.

Os princípios da Biologia podem ser demonstrados através do estudo da Microbiologia, pois os microrganismos têm muitas características que os tornam instrumentos ideais para a pesquisa dos fenômenos biológicos. Os microrganismos fornecem sistemas específicos para a investigação das reações fisiológicas, genéticas e bioquímicas, que são a base da vida. Eles podem crescer, de maneira conveniente, em tubos de ensaio ou frascos, exigindo, assim, menos espaço e cuidados de manutenção do que as plantas superiores e os animais. Além disso, crescem rapidamente e se reproduzem num ritmo muito alto; algumas espécies bacterianas demonstram quase 100 gerações num período de 24 horas. Os processos metabólicos dos microrganismos seguem os padrões que ocorrem nos vegetais superiores e nos animais. As leveduras, por exemplo, utilizam a glicose, basicamente do mesmo modo que as células dos tecidos de mamíferos, revelando que o mesmo sistema enzimático está presente nestes organismos tão diversos.

Concursos culturais do Blog Parceria em Ação

Com o objetivo de estimular a educação, cultura, empreendedorismo e a busca pela inovação, o blog Parceria em Ação, no qual sou colaborador, abre espaço para concursos culturais junto com parceiros. Reinvente-se e esteja conosco!

Concurso 5º Simpósio Hipertexto e Blog Parceria em Ação

Educação consciente. Aprendizagem. Tecnologia dentro e fora da sala de aula. Se você é conectado com esses assuntos não pode deixar passar o concurso que o 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e o 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias está fazendo com o blog Parceria em Ação.
A educação como desejamos
Com a intenção de cumprir mais uma vez sua meta de ser um fórum aberto a apresentações de trabalhos acadêmicos e discussões de ações pedagógicas, além de oportunizar o diálogo entre pesquisadores da área e professores do ensino fundamental e médio, o 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e o 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias, que acontecerá de 13 a 15 de novembro, no Centro de Convenções da Universidade Federal de Pernambuco, premiará um seguidor com uma cortesia*. Além da cortesia para participar do evento, o vencedor também levará um livro, cujo título é “A educação que desejamos – novos desafios e como chegar lá, De José Manuel Moran (imagem ao lado).

*A cortesia será inscrição na modalidade ouvinte, que dá direito a toda programação do evento, com exceção das oficinas.
O sorteio será realizado no dia 17/10/2013, às 13h
Regulamento:
- Ser seguidor do Blog Parceria em Ação no twitter >> @PARCERIAEMACAO e dar RT nas mensagens do concurso cultural com o link (http://kingo.to/1iVz), que informará também a data e horário do sorteio. O link será para o blog, onde será possível encontrar maiores detalhes.
2 - Ser seguidor do 5º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e o 1º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias no twitter >> @hipertexto2013 .
3 - O sorteio vale para seguidores de todo o Brasil. Caso seja feito para determinada Região, será avisado previamente.
4 - Será usado o http://sorteie.me, para definir o ganhador do concurso através do link nas mensagens.
5 - Não serão feitas simulações e/ou testes no site http://sorteie.me antes do horário estipulado para o sorteio.
6 - Caso não seja possível divulgar o resultado do concurso no horário estipulado, devido a problemas no http://sorteie.me, problema no acesso a internet, queda de energia, etc, o ganhador (a) será divulgado no dia seguinte no mesmo horário.
7 – É permitida a participação de todos os usuários do Twitter, .
8 - Caso o ganhador (a) não esteja dentro dos critérios estabelecidos, vamos divulgar o sorteado informando o motivo da desclassificação. O sorteio estará anulado, e será feito um novo sorteio em 15 minutos.
9 – Não existe limite para a participação nos concursos.
10 - O Resultado será divulgado no blog Parceria em Ação em link a ser enviado pelo Twitter, em até 50 (cinquenta) minutos após o sorteio.
11 - O @PARCERIAEMACAO entrará em contato com o ganhador via DM pelo Twitter avisando o resultado do concurso.
12 - O vencedor terá o prazo de 72h para nos enviar, POR E-MAIL parceria_em_acao@hotmail.com os dados abaixo:
  • Apelido do Twitter (ex: @Manuel_Joao);
  • Nome completo;
  • Endereço completo (com CEP);
  • Telefone.
Se não nos enviar no prazo, todos os dados acima, o concurso não será validado e ocorrerá novamente em data a ser estabelecida.
13 - O prêmio será enviado via correio em até 72h úteis após recebermos os dados solicitados – em caso de bens físicos –, ou será informado como proceder em caso de participação em eventos (palestras, cursos, seminário…e similares)
14 - O prêmio não poderá ser convertido em dinheiro, em hipótese alguma
15 - Todas as dúvidas e/ou questões surgidas do presente concurso serão solucionadas pela blog Parceria em Ação, considerando sempre as normas de proteção ao consumidor em vigor. Às decisões do blog não cabe nenhum tipo de recurso.
16 – O @PARCERIAEMACAO não se responsabiliza por nenhuma falha técnica de transmissão, problemas de acesso à Internet, serviços prestados pelo Twitter ou qualquer caso fortuito ou de força maior que possam impedir a participação do usuário.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

HPV


HPV (papilomavírus humano), nome genérico de um grupo de vírus que engloba mais de cem tipos diferentes, pode provocar a formação de verrugas na pele, e nas regiões oral (lábios, boca, cordas vocais, etc.), anal, genital e da uretra. As lesões genitais podem ser de alto risco, porque são precursoras de tumores malignos, especialmente do câncer do colo do útero e do pênis, e de baixo risco (não relacionadas ao aparecimento de câncer).

Transmissão do Papiloma Vírus Humano (HPV)

A transmissão se dá predominantemente por via sexual, mas existe a possibilidade de transmissão vertical (mãe/feto), de auto-inoculação e de inoculação através de objetos que alberguem o HPV.

Diagnóstico

As características anatômicas dos órgãos sexuais masculinos permitem que as lesões sejam mais facilmente reconhecíveis. Nas mulheres, porém, elas podem espalhar-se por todo o trato genital e alcançar o colo do útero, uma vez que, na maior parte dos casos, só são diagnosticáveis por exames especializados, como o de Papanicolaou (teste de rotina para controle ginecológico), a colposcopia e outros mais sofisticados como hibridização in situ, PCR (reação da cadeia de polimerase) e captura híbrida.

Sintomas

A infecção causada pelo HPV pode ser assintomática ou provocar o aparecimento de verrugas com aspecto parecido ao de uma pequena couve-flor na pele e nas mucosas. Se a alteração nos genitais for discreta, será percebida apenas através de exames específicos. Se forem mais graves, as células infectadas pelo vírus podem perder os controles naturais sobre o processo de multiplicação, invadir os tecidos vizinhos e formar um tumor maligno como o câncer do colo do útero e do pênis.

Tratamento

O vírus do HPV pode ser eliminado espontaneamente, sem que a pessoa sequer saiba que estava infectada. Uma vez feito o diagnóstico, porém, o tratamento pode ser clínico (com medicamentos) ou cirúrgico: cauterização química, eletrocauterização, crioterapia, laser ou cirurgia convencional em casos de câncer instalado.



sábado, 28 de setembro de 2013

No Rastro da Bicharada!

Embora a natureza ofereça beleza e exuberância para todos os gostos, existe um grupo que com certeza atrai mais atenção e interesse dos observadores. A dificuldade de observação de mamíferos em seu habitat natural pode frustrar muitos espectadores e estudiosos mas algumas evidências de sua presença podem ser bem interessantes e passíveis de apreciação e registro, como restos de alimentação, fezes (sim! Fezes!), cheiro, marcações mecânicas (como escavações, arranhadores) e principalmente... pegadas!

Para um biólogo de campo é uma felicidade imensa encontrar uma pegada fresquinha, bem desenhada e profunda! A primeira coisa que pensamos em fazer é fotografa-la para poder identificar quem foi o visitante. As pegadas podem ser observadas em trilhas comuns, pois muitos desses animais são noturnos e utilizam as trilhas para buscar alimento ou apenas se deslocar de um lugar para outro. É preciso que o solo seja fino e esteja úmido para que as pegadas fiquem perfeitas, mas mesmo sem as condições ideais podemos observar alguns rastros. Uma boa dica é procurar por cursos d´água, que os animais costumam utilizar para saciar a sede. A posição em que eles ficam para tomar água e a consistência do solo favorecem o “imprint” das pegadas!

Aqui tem alguns exemplos de fotografias de rastros, tiradas por mim em laboratório ou no campo mesmo. É importante sempre que possível, colocarmos alguma referência ao lado da marca para facilitar a identificação por tamanho:
Pata posterior de Ratão-do-Banhado (Myocastor coypus) avistada na Serra do Japi, em Jundiaí-SP. Usei como referência um gancho herpetológico, usado para retirar serpentes que caem nas armadilhas por engano.


Pegadas de Jaguatirica (Leopardus pardalis) reproduzidas na areia em laboratório.


Molde em gesso da pata dianteira de Mão-pelada (Procyon cancrivorus).


Atividade em laboratório mostrando outra técnica de captura de pegadas. Utilizamos uma folha de transparência e canetas de retroprojetor. Pode ser feito com papel transparente e canetinhas com ponta macias.

Depois de feito o registro, precisamos identificar a qual espécie ou grupo ela pertence. Para isso existem alguns guias de campo com ilustrações e descrições das pegadas. Para quem se interessa, um guia muito legal é o “Rastos de Mamíferos Silvestres Brasileiros – Um Guia de Campo” dos biólogos Marlise Becker e Julio Dalponte. Mas existem outras opções nas livrarias ou internet.



Detalhe do guia de pegadas e capa. 


Que tal na próxima trilha tentar identificar os animais que passaram por ali? Câmera, papel e caneta na mão e boa sorte!



Até a próxima!

Colaboradora do Planctônico

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Pyura chilensis, "uma rocha que sangra"

Bom ela não é exatamente uma rocha, mas, este é provavelmente o mais perto que pode se afirmar que está “tirando sangue de uma pedra”. Apesar das aparências, não se trata de algum tipo de organismo alienígena cruelmente dissecado, isto é uma Pyura chilensis (uma espécie de ascídia), uma criatura do mar que vive na costa rochosa do Chile e do Peru. Apesar do fato de que é completamente imóvel como uma rocha, ela ainda pode realmente comer – por sucção na água e filtragem de microorganismos — e é claro, ela sangra misteriosamente um mineral raro chamado vanádio. Aqui é onde as coisas ficam realmente estranhas… no Chile, eles são pescados comercialmente, e os moradores os comem crus ou cozidos com salada e arroz, porque aparentemente elas são deliciosos.







domingo, 22 de setembro de 2013

Dia da árvore

21 de setembro dia da árvore


Plante,
Proteja,
Preserve e
Admire...


O Verde Para Viver

         Discutimos de várias formas ações pautadas sobre o meio ambiente, como algo que realmente incide, e cabe a nós seres humanos apontar os impactos eminentemente causados por nosso padrão e acima de tudo enxergarmos as soluções e colocar-las em prática. Nesse bojo podemos discutir dentre os recursos naturais que temos em mãos a biodiversidade da flora que é algo que particularmente me sinto a vontade para discutir , primeiramente pela minha formação acadêmica e segundo por desde criança demonstrar amor e respeito por esses seres vivos.


Somos seres humanos que precisam de vários aspectos das qualidades maravilhosas que a vegetação oferece, elas são responsáveis pela purificação ou talvez nos dias de hoje com tanta poluição seja plausível dizer que elas são responsáveis por deixar o nosso ar respirável, a nossa alimentação é favorecida por essa gama de espécies, pois não podemos esquecer que o nosso alimento (brasileiro) o tradicionalíssimo arroz e feijão são vegetais e quem ai não adora uma salada de frutos no almoço? Um tomate com chuchu ( sim os dois são frutos e só analisar e ver que na parte interna deles encontramos caroços (sementes) que se plantarmos darão origem a novas plantinhas).
        E agora em setembro, quem não gosta de ver a floração dos ipês? Na arborização urbana lá nas calçadas, nas praças, nos campos abertos de cerrado. São tantos de várias cores amarelo, branco, rosa, roxo, verde, com sua beleza magnífica que aprecia o olhar e causa uma sensação maravilhosa de bem estar.


E na passarela da moda o blogueira aonde a vegetação está?.....Bem ai, nessa calça que você está usando que deve ser feita de algodão, ou na sua pulseira feita de sementes, ou no seu sapato ou sandália que precisaram ser costurados com linhas de origem vegetal, no batom que pode estar evidenciando a beleza de algum@ leitor@, e que tal lembrarmos dos perfumes com notas florais que particularmente são os meus preferidos....


Quer ter mais benefícios dos vegetais?


Quer mesmo?

Que tal começar plantando uma árvore hoje?



Colaboradora do Planctônico

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Uma palavrinha sobre Defaunação : vamos falar de mamíferos?

Quando tratamos de alterações no ecossistema encontramos muitos termos para definir exatamente o assunto tratado. Por exemplo, quando falamos da supressão (retirada) da cobertura vegetal de um local, utilizamos a palavra Desmatamento que significa o ato ou efeito de desmatar, de tirar a mata. Seguindo a mesma lógica, para falar sobre a retirada ou extinção – mesmo que local! – de animais, utilizamos o termo Defaunação, uma vez que a Fauna engloba as espécies animais de determinada região.

Muitos estudos tem sido realizados de forma inédita, tendo a defaunação como foco principal e mostrando que a ausência de mamíferos, especificamente, pode ter muito mais impacto do que se imaginava!

Os mamíferos por muito tempo foram considerados espécies “Guarda-chuva” em projetos de conservação, ou seja, as carinhas bonitas pelas quais as pessoas se apaixonam e resolvem de alguma forma ajudar os projetos que carregam suas imagens como emblema. Mas diferente do que se pensava, grandes mamíferos como primatas, ungulados e grandes roedores podem sim ter papéis extremamente importantes na dinâmica de florestas, além de funções ecológicas muito bem definidas. Grandes primatas são responsáveis por dispersar sementes de várias espécies vegetais, pois o longo do dia cobrem uma área de floresta extensa, caminhando com o grupo e se alimentando em locais diferentes. Isso influencia, por exemplo, no nascimento e sucesso de crescimento das Plântulas, indivíduos jovens da vegetação.

E não é só a vegetação que pode sofrer com a extinção local de mamíferos! Algumas espécies de insetos, como os besouros coprófagos (nossos conhecidíssimos “rola-bosta”), dependem diretamente da presença de fezes de mamíferos para utilizá-las como ninho e alimento.

E aí, já sabiam o que era Defaunação? O que acharam do termo?

 Qualquer dúvida, me escrevam! kk.piccinini@gmail.com

Até a próxima!

Colaboradora do Planctônico